Estimulação magnética transcraniana pode prevenir e tratar crises de enxaqueca

Instituto britânico revelou os resultados de uma série de testes clínicos, mostrando a eficácia desse tratamento

Mais da metade dos brasileiros terá ao menos uma crise de dor de cabeça na vida. Algumas pessoas, menos sortudas, sofrem com enxaqueca, tendo esse incomodo com uma maior frequência, principalmente quando são estimuladas por luz, cheiros ou mesmo estresse.

Um dos tratamentos que vem sendo muito estudado é a estimulação magnética transcraninana, que consiste no uso de uma bobina (um instrumento de metal circular) acima da cabeça da pessoa. Acredita-se que o campo magnético criado possa amenizar essas dores, mas no geral a comunidade científica queria mais evidências sobre a eficácia desse tratamento.

Em janeiro de 2014, o National Institute for Health and Care Excellence divulgou o resultado de uma série de estudos clínicos sobre o método, que mostram resultados bem positivos em sua atuação contra as dores de cabeça.

Um primeiro estudo, feito com 164 pessoas, mostrou que após duas horas com o tratamento, 39% dos pacientes já não apresentavam nenhuma dor, enquanto após 24h, mais 29% estavam se sentindo melhores. Uma segunda pesquisa mostrou que aproximadamente 75% dos pacientes que receberam o tratamento repetitivamente apresentaram redução nas crises. Inclusive, uma das pacientes que tinha uma crise ao dia, relatou o espaçamento de até 10 dias sem dores de cabeça.

A conclusão é que o tratamento pode ser útil para aqueles que não conseguem encontrar alívio ou melhora em métodos convencionais, como analgésicos e anti- inflamatórios. Hoje esse tratamento é mais usado no Brasil para o tratamento de depressão e alucinações auditivas.

Trate sua dor da forma certa

Muitas vezes o que torna dor de cabeça tão insuportável é o tratamento incorreto. A grande maioria das pessoas, infelizmente, costuma procurar atendimento médico apenas quando a dor aparece com crises intensas e, principalmente, muito frequentes. Mas esse é apenas um dos equívocos quando o assunto é tratar a cefaleia. Veja outros sete erros e elimine a dor de cabeça junto com esses maus hábitos.

Dr. Drauzio Varella

Dor de cabeça, ou cefaleia, é uma condição frequente, de intensidade variável e características distintas. Ela pode ser classificada, segundo suas causas determinantes, em cefaleias primárias e cefaleias secundárias. Ao primeiro grupo pertencem as dores de cabeça que indicam, ao mesmo tempo, a enfermidade e o sintoma. Ao segundo, aquelas que estão correlacionadas com outras doenças. Por exemplo: infecções bacterianas e virais (sinusite, meningite, encefalite, gripes e resfriados, entre outras) fibromialgia, aneurismas, tumores cerebrais, avc, hipóxia cerebral, lesões cranianas, distúrbios oftalmológicos e do ouvido, etc. Há casos, porém, em que não é possível definir a causa da dor de cabeça.

Dores de cabeça podem ocorrer em pessoas de todas as idades, desde o nascimento até a velhice. Essa queixa também comum na infância pode estar relacionada com um distúrbio físico, emocional ou psicológico, ou ainda ser efeito colateral de algum medicamento.

Tipos e sintomas

Existem inúmeros tipos de cefaleias primárias. Os mais frequentes são a cefaleia tensional, a cefaleia em salvas e a enxaqueca.

A cefaleia tensional costuma ser a mais prevalente e pode ser aguda ou crônica. Como o nome diz, resulta da tensão prolongada da musculatura cervical (ao redor do pescoço) e da musculatura ao redor do crânio. Em geral, é uma dor em peso ou aperto, bilateral, de intensidade leve ou moderada, que se manifesta na testa, na nuca ou na parte de cima da cabeça. A duração da crise varia bastante. No entanto, em geral não impede que a pessoa exerça suas atividades rotineiras.

Na cefaleia em salvas (cluster headache), a dor é pulsátil, muito forte, de um lado só, na região têmporo-frontal, na face e na órbita ou no fundo de um dos olhos. Queda da pálpebra, congestão ocular (o olho fica vermelho e lacrimejante), obstrução nasal e coriza são outros sintomas que se manifestam também no lado afetado pela dor. As crises vêm agrupadas, são diárias (de uma a oito por dia), muitas vezes ocorrem durante a noite, e podem repetir-se por dias ou meses. Assim como desaparecem de uma hora para outra (remissão espontânea), podem voltar de repente.

Acredita-se que a cefaleia em salvas tenha origem no hipotálamo, uma estrutura cerebral ligada aos ciclos sono-vigília, e que haja alguma correlação entre essa dor e a apneia do sono. O distúrbio se manifesta mais nos homens do que nas mulheres, durante a segunda e terceira décadas da vida.

A enxaqueca, ao contrário, afeta mais as mulheres. Também chamada de migrânea, é um distúrbio neurovascular crônico, multifatorial e incapacitante. As crises podem surgir em qualquer idade, mas é mais comum terem início na adolescência.

O sintoma característico é a dor de cabeça unilateral e latejante, de intensidade média ou forte, que pode ser precedida por uma aura premonitória (embaçamento da visão ou aparecimento de pontos luminosos, manchas ou linhas em zigue-zague). Outros sintomas são náuseas, vômitos, sensibilidade à luz (fotofobia), aos sons (fonofobia), aos movimentos e irritabilidade.

Diagnóstico

O diagnóstico dos diferentes tipos de cefaleia começa pelo levantamento da história do paciente e pelo exame clínico e neurológico com o objetivo de determinar as causas e as características da dor. Alguns exames de sangue e de imagem, como ressonância magnética, tomografia de crânio e eletroencefalograma podem ser necessários para estabelecer o diagnóstico diferencial.

Tratamento

Nos casos de cefaleias secundárias, o tratamento se voltará para o controle das enfermidades de base. Quanto às cefaleias primárias, ele varia de acordo com o tipo da doença. Crises esporádicas de cefaleia tensional costumam responder bem ao uso de analgésicos comuns. Nos quadros crônicos, medicamentos antidepressivos têm-se mostrado eficazes. Mudanças no estilo de vida que ajudem a controlar a tensão e o estresse, assim como a prática de exercícios físicos e de relaxamento são medidas importantes tanto para a prevenção quanto para o alívio da dor.

O tratamento das cefaleias em salvas tem basicamente dois objetivos: prevenir novas crises e cortar a dor tão logo tenha se manifestado. Na verdade, esse tipo de cefaleia só responde a medicamentos que agem diretamente sobre os receptores da serotonina. O efeito é bastante rápido se forem injetados por via subcutânea no início da crise. A inalação de oxigênio é outro recurso terapêutico útil para controle da dor. Quanto ao tratamento preventivo, existem vários medicamentos que apresentam bons resultados, mas só devem ser utilizados com indicação médica.

Muitas vezes, os episódios de enxaqueca podem ser controlados com analgésicos comuns. Quando isso não acontece, existe uma classe de drogas chamada triptanos, que apresenta bons resultados no controle da dor e baixa incidência de efeitos colaterais. A resposta ao tratamento é mais eficaz, quando iniciado logo que surgem os primeiros sintomas.

Recomendações

Esteja atento: deve ser encaminhada para assistência médica imediata a pessoa com dor de cabeça forte, que surge de repente, ou persiste por dias, não cede com o uso de analgésicos comuns e está associada a sintomas como confusão mental, sonolência, febre alta, desmaios, convulsões, rigidez da nuca ou alterações motoras.

Cafeína Ajuda a Diminuir a Dor de Cabeça

Uma xícara de café pode ajudar a combater a dor de cabeça, mostra um estudo americano, aprovado pelo médico brasileiro Alexandre Feldman. A Cafeína pode ser um valioso componente no tratamento das dores de cabeça. A informação foi divulgada através de estudo realizado pela Cínica Diamon de Chicago ao analisar 301 pessoas que sofrem regularmente de dores na cabeça.

Pesquisa

Os pesquisadores detectaram que uma combinação de Ibprofeno e cafeína é a forma mais eficiente de combater o mal, pois 80% dos pacientes que tomaram as duas drogas tiveram uma redução significativa da dor de cabeça, contra 67% que tomaram só ibuprofeno e 61% somente cafeína. Ela parece dar um “impulso” ao ibuprofeno, que começa a agir mais cedo; além disso, a cafeína, por diminuir a circulação sanguínea, faz com que a dor na cabeça diminua.

Indicação

Ao comentar o estudo, Alexandre Feldman, autor do livro “Enxaqueca – Alívio para o sofrimento”, disse que ele já aconselha seus pacientes que sofrem de enxaqueca a pararem de tomar café por um bom tempo, para “limpar o organismo”. Assim, quando tiverem uma crise e não quiserem tomar remédio, os pacientes podem tomar “duas xícaras de café bem forte, sem açúcar”, e com isso aliviarem a dor.

Saiba como a gripe se instala em nosso corpo

Causada principalmente pelo vírus Influenza, a doença que acomete o sistema respiratório pode levar a complicações. Entenda melhor como ela surge e como se prevenir.

A gripe é um tema recorrente, especialmente nesta época, em que o clima é mais quente e as frentes frias mudam a temperatura repentinamente. Seja no trabalho, no lar, na rua ou em ambientes públicos, é natural observar pessoas que apresentam os principais sintomas desse problema, como espirros, cansaço, febre e nariz avermelhado.

"Existem vários vírus que afetam o trato respiratório e que podem causar gripes e resfriados. Eles sofrem mutações e se tornam diferentes com o tempo. Porém, o mais conhecido e que causa doenças mais graves é o do tipo Influenza. Resumidamente, podemos dizer que o ciclo de uma gripe tem início no contágio, seguido pela instalação do antígeno, que geralmente acontece na região da garganta, do nariz ou dos seios da face. Posteriormente, com a multiplicação do vírus, vem a reação do corpo contra o invasor com o intuito de buscar a cura da doença", explica o pneumologista Mauro Gomes.

Segundo o especialista, a transmissão do vírus Influenza pode acontecer por meio da tosse, espirro e de pessoa para pessoa – por meio de gotículas de saliva expelidas na fala –, diretamente pelo ar ou por objetos que foram manipulados pelo doente. Portanto, o indivíduo é contaminado quando inala as partículas do micróbio ou quando toca os objetos contaminados e leva sua mão aos olhos, nariz ou boca. Daí a importância de sempre se manter a higiene pessoal. "O período em que uma pessoa pode transmitir o vírus a outra é de um a sete dias depois que os sintomas começam a aparecer. Isso pode variar, especialmente de acordo com a idade”, afirma.

Após o contágio, vem a fase da instalação do vírus no corpo. Normalmente, ocorre no trato respiratório superior, o que contempla nariz, faringe e laringe, ou na traqueia. "Nessas regiões, o microorganismo encontra melhores condições de sobrevivência e, consequentemente, multiplicação. É durante esse período que o indivíduo começa a sentir os primeiros sintomas da gripe: febre alta, fortes dores de cabeça e no corpo, tosse seca e fraqueza", explica Mauro Gomes.

A partir de então, o sistema imunológico começa a reagir à presença do Influenza e os sintomas se intensificam. Ainda segundo o pneumologista, os glóbulos brancos identificam as células que foram afetadas e as eliminam. Após a destruição do vírus, outras células preparam "novas respostas", que podem ser observadas pelo aumento do muco na garganta.

Durante o processo da gripe, o vírus "procura" por células para SE HOSPEDAR e se reproduzir. Esta reprodução acontece quando ele se fixa e penetra na membrana celular. Por meio do material genético (RNA) há a multiplicação dos antígenos nos núcleos das células do hospedeiro. Em contrapartida, o nosso corpo continua reagindo para acabar com a contaminação.

O especialista ainda faz um alerta aos portadores de doenças respiratórias crônicas quanto a alguns cuidados para prevenção da gripe e suas complicações: "Aglomeração em locais fechados, faz com que as infecções respiratórias aumentem. Vírus e bactérias acabam se transmitindo com maior facilidade, causando algumas epidemias. Portanto, evitar lugares mal ventilados, as mudanças bruscas de temperatura e o contato com a fumaça do cigarro são medidas muito importantes".

A vacina antigripal, fabricada a partir dos três principais tipos de vírus Influenza, é muito eficaz na prevenção da gripe e, principalmente, da evolução desta para pneumonia na maioria das pessoas. Apesar de não prevenir contra novos vírus ou mutantes, a vacina é um eficiente protetor e deve ser administrada principalmente naquelas pessoas com os fatores de risco citados.

NA SUSPEITA DE DENGUE ESTE MEDICAMENTO DEVE SER EVITADO
SE PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO TEM QUE SER CONSULTADO